terça-feira, 27 de setembro de 2011

Ampulheta do tempo

Ampulheta do tempo e seus grãos de areia
velados, insistente em cair sem me consultar
sem me fazer refletir se estou á aproveitar meu tempo
sopro de ar meu pulmão, inspiro gás carbônico
e solto as palavras, farpadas
cozidas em água e sal.
Por vezes solitário
mesmo estando acompanhado.
Olhar longe, distante
no mar ou na lua
em qualquer lugar, tentando de encontrar.
O fio da vida que me separa da morte
é tao fino que não vejo
tao frágil que não sinto.

Parei para pensar nisso !


Vitinho Andrade

3 comentários:

  1. Mas que profundidade hein, tenha uma ótima noite!

    ResponderExcluir
  2. Oi, passando pra desejar um feliz dia das crianças.Não pare de escrever
    Muito sucesso para seu blog
    Kisses

    http://10coisas2.blogspot.com

    ResponderExcluir