terça-feira, 24 de agosto de 2010

Coisas do destino

Todos os dias caminhos se cruzam, pessoas se encontram e num desses encontros casuais pode surgir alguma atração muito forte, o que pode ser considerado algo normal, pois uma atração física é fácil acontecer.
Contudo, Renata nunca cruzou seu caminho com Renato. Moravam em cidades diferentes, e não havia qualquer possibilidade de contato entre eles, pois exerciam profissões diferentes, pertenciam a meios diferentes. Nada poderia indicar que entre ambos pudesse surgir algo sequer parecido com amor.
Por uma razão qualquer, Renata leu um texto escrito por Renato, publicado em algum lugar. Sem saber porque, sentiu-se incrivelmente atraída por aquilo que leu. Sem nenhum motivo plausível, iniciou investigações para localizar o autor daquele texto, que sequer era um escritor famoso. Como localizá-lo? Mais uma vez o acaso fez sua parte. Comentando com um amigo sobre sua busca, este lhe disse conhecer o autor, que morava em uma cidade distante. E que depois lhe daria o endereço.
Esqueceu-se do fato, e viajou, deixando Renata angustiada, pois estivera tão perto de localizar o escritor misterioso. Nem mesmo ela saberia dizer porque sentia tanta atração pela criatura que tanto queria encontrar.
Raul, ao encontrar-se com Renato, lembrou-se do encontro com a amiga, e contou que ele tinha uma admiradora que queria muito conhecê-lo. Sem saber porque, ele sentiu um desejo muito forte de encontrar essa mulher que estava assim, tão interessada por ele. Um desejo muito além do que seria normal em casos como esse.
Então, resolveu ir até a cidade de sua fã, embora não tivesse meios de localizá-la. Foi ao local indicado por Raul, e por outra artimanha do destino, viu aquela mulher muito parecida com a descrição que o amigo lhe fornecera. A atração foi total e completa. Olharam-se, e ele apenas perguntou: “Você é Renata?”. Ela disse que sim, e logo intuiu quem seria ele. Abraçaram-se. Beijaram-se, como se fossem amantes de longa data. E durante alguns dias viveram um amor que beirava a loucura total e completa. Entenderam-se tão bem, como se fossem velhos conhecidos. Não sabiam ainda, mas de fato o eram.
Intrigados com essa incrível atração entre eles acabaram descobrindo que já haviam se conhecido em vidas passadas, sem, contudo conseguir viver o amor que havia em suas almas. Sempre haviam encontrado impedimentos para viver o amor em sua plenitude.
Renata acreditou que agora poderia resgatar o amor incompleto de sua alma, mas não seria nesta vida ainda, pois Renato confessou ser casado, e,portanto não poderia viver com ela.
Partiu com o coração chorando, e a deixou sofrendo a perda desse amor tão desejado.
Assim, escreve-se mais uma página desse amor que através das épocas não consegue ser vivido em plenitude.
Um amor marcado para não fazer a felicidade plena e total dessas almas destinadas a desencontros fatais.
Ela segue sua busca... Ele segue não conseguindo fazer sua amada feliz. Sente que a ama, mas não pode viver a seu lado.
Possivelmente, em outra vida, em outra época voltem a se encontrar...
Apenas, coisas do Destino...

12 comentários:

  1. Aiiii que coisa tristeee... :(
    Mas vamos combinar que faltou coragem do tal do Renato, pra viver o amor dele...
    Outra vida é muito tempo, quando se pode viver nessa...
    E essa coisa de atração fatal...uau... muito bom o texto!
    Beijos no coração ;***

    ResponderExcluir
  2. muito bom o texto ^^
    as coisas são como são ...
    só precisamos aprender a aceitar .
    :D
    bju

    ResponderExcluir
  3. Triste, mas a vida é assim mesmo, cheia de encontros e desencontros. Belo texto!

    ResponderExcluir
  4. Mesmo se você partir, o amor está aqui...
    uma vez amor...sempre amor...(até parece hino do flamengo). Devemos refletir sobre nossos ideais de amor perfeito...aquele que namora anos, engravida, casa e vive feliz pra sempre...muitas vezes as contingências nos impedem de sermos realmente felizes..por uma questão de prisão a valores ou até mesmo no envolvimento com emoções anteriores. É preciso ter coragem pra se dar um basta e transformar de uma posição comodista ao dar lugar o amor de verdade, é preciso trabalhar a teoria do desapego...para receber o universo tem de mais sincero...

    ResponderExcluir
  5. Lindo o texto menino, sabe que o destino nos espera....Mas não podemos ter medo dele!!!!


    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Nada pode separar duas almas entrelaçadas pelo sentimento. Lindo!

    ResponderExcluir
  7. " O destino é a ponto que nos liga a pessoa amada" e se realmente for amor , nada separará
    Seguindo aqui >.<
    Beeijos ;*

    ResponderExcluir
  8. Se tens o hoje para quê deixar para amanha? O defeito do ser humano é esperar acontecer, desistir ao fracassar. Por que o medo de sofrer? Não seria a primeira vez, presinto. Diga ao Renato, que se for para sofrer. Que sofra, mas que sofra pelo intenso sentimento que sentes. Acredite um dia verás que tudo à de ter valido a pena. (:
    Tente quantas vezes for preciso. Mas tente uma pelo menos, para dizer que tentou.

    ResponderExcluir
  9. Talvez, ao me visitar, vc tenha tb a sensação de já me conhecer, pode ser que ocorra o deja vu. Que tal checar?

    Marcio Nicolau
    www.espacointertextual.blogspot.com

    Volto pra ler os teus textos.

    ResponderExcluir
  10. Adorei seu texto, linda história e triste tbm, me lembrou mto o livro do Sidney Sheldon, "A Ira dos Anjos", não se vc já leu, é excelente, meus parabéns escreves mto bem.

    Estou seguindo teu blog, obrigada por visitar o meu e me seguir tbm!!! Espero que visite e comente sempre meus textos.

    Abraços.
    Lílian

    ResponderExcluir
  11. Meu deus, que coisa...
    Vivi uma história bem parecida.
    A diferença é que meu Renato iria se casar.
    E se casou, apesar de nos amarmos com toda essa
    intensidade...Obrigada por me seguir.
    Estarei por aqui também.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. 'Possivelmente, em outra vida, em outra época voltem a se encontrar...
    Apenas, coisas do Destino... '

    Tristinho, mas lindo.

    Bjo

    ResponderExcluir